Tags

, , , , , , , ,

16 e 17 de maio de 2008 – Curitiba – PR

Local: PUC-PR, Campus Curitiba

Promovido pelo Instituto de Análise do Comportamento de Curitiba (IACC)

“Este curso abordará as diferentes formas do analista do comportamento encarar e atuar em questões importantes na sociedade contemporânea. Resgatando o papel político do behaviorista radical, serão abordadas questões como ética, política, meio ambiente e religião. Uma formação indispensável para todo profissional comprometido com as práticas culturais de sua comunidade.”

Resumo e objetivos de cada uma das etapas do curso:

CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PARA A CONSERVAÇÃO AMBIENTAL

Hélder Lima Gusso

Resumo:

Na primeira etapa deste curso serão examinadas possibilidades de atuação profissional de analistas do comportamento em processos de conservação ambiental. Para isto será destacada a noção de fenômeno psicológico (objeto de intervenção profissional de psicólogos) e a identificação desse tipo de fenômeno em diferentes problemas ambientais, de modo a explicitar as possibilidades de atuação sobre esses fenômenos. Na segunda etapa serão apresentadas contribuições de Scott Geller e colaboradores para as intervenções comportamentais em áreas relacionadas à conservação ambiental. Por fim, serão examinados exemplos de diferentes tipos de intervenções e contribuições de analistas do comportamento para o enfretamento de problemas ambientais, com ênfase na utilização de métodos experimentais como forma de avaliar a eficácia dessas intervenções.  

Objetivos:

– Caracterizar fenômeno psicológico;

– Caracterizar “problema ambiental”;

– Distinguir “preservação” e “conservação” ambiental;

– Identificar fenômenos psicológicos em problemas ambientais;

– Avaliar possibilidades de atuação profissional em Psicologia sobre problemas ambientais;

– Identificar as contribuições de Scott Geller e colaboradores para os processos de intervenção comportamental em áreas relacionadas à conservação ambiental;

– Identificar as contribuições de métodos experimentais como forma de avaliar a eficácia de intervenções comportamentais em conservação ambiental;

– Avaliar diferentes tipos de intervenção de analistas do comportamento em conservação ambiental. 

BEHAVIORISMO RADICAL, ÉTICA E POLÍTICA

Prof. Dr. Alexandre Dittrich

Resumo:

A apresentação visa caracterizar o sistema ético skinneriano em seus aspectos descritivo e prescritivo, a partir da análise dos conceitos de bens pessoais, bens dos outros e bem das culturas na obra de Skinner. No que se refere ao aspecto descritivo, tais bens constituem uma aplicação do modelo de seleção por conseqüências à explicação do comportamento ético. Quanto as aspecto prescritivo, considerando-se o bem das culturas como o valor fundamental da ética de Skinner, discute-se as possibilidades de justificá-lo, e as conseqüências políticas daí decorrentes. Por fim, tendo como base a discussão precedente, busca-se analisar as possibilidades de posicionamento e atuação política dos analistas do comportamento.

 Conteúdo:

 1) Ética e behaviorismo radical

– O aspecto prescritivo da ética skinneriana: seleção por conseqüências e comportamento ético

– O aspecto prescritivo da ética skinneriana: a sobrevivência das culturas

– É possível justificar a sobrevivência das culturas enquanto valor?

 2) Política e behaviorismo radical

– Filosofia política skinneriana

– O analista do comportamento enquanto agente político: alternativas de ação 

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO E RELIGIÃO

Psic. Vitor Pedro Calixto dos Santos

 Resumo:

A proposta é olhar para alguns aspectos do comportamento religioso (judaico-cristão) institucional e individual sob a ótica funcional, pragmatista e histórico-contextual do Behaviorismo Radical de Skinner e seus sucessores, com o objetivo de conhecer (descrever) as variáveis envolvidas, e com isto aumentar as possibilidades de intervir (influenciar) quando solicitado por interessados (clientes). A justificativa para tais reflexões é a relevância e a ubiqüidade da influência do discurso de comunidades (audiências) religiosas, nem sempre apropriadamente ponderadas pela comunidade científica, e de maneira particular pelos terapeutas (psicólogos).

O percurso será norteado por alguns pontos, dentre os quais se destacam os seguintes:

– Estaria o comportamento religioso regido por leis distintas dos demais comportamentos?

– A igreja (religião) como agência instaladora de controles e algumas de suas funções para indivíduos e grupos.

– A instalação de comportamentos supersticiosos e sua manutenção: um paradigma de compreensão.

– Ciência e cientista: estar sob controle de múltiplas audiências ou escolher a que tem a verdade?

– Qual a função da psicoterapia diante do sentimento de culpa eventualmente associado ao comportamento religioso?

– Uma tentativa de compreensão do comportamento religioso como emergente de relações entre estímulos contextualizadas.

Alexandre Dittrich: Psicólogo. Doutor em Filosofia pela UFSCar. Professor Adjunto do Depto de Psicologia de UFPR.

Hélder Lima Gusso: Psicólogo. Mestrando em Psicologia pela UFSC. Especialista em Psicologia Organizacional pela UniFAE Business School.

Vitor Pedro Calixto dos Santos: Psicólogo. Professor de Psicologia e Religião no Studium Theologicum de Curitiba,PR; Psicoterapeuta no ITCR – Campinas, SP, Especializando em Analise do Comportamento pelo ITCR, Campinas,SP.

Mais informações e inscrições pelo site www.iacc.psc.br

Anúncios